PF pode investigar suposta venda do mandato de Jean Wyllys para marido de Glenn Greenwald

Em janeiro, assim que o deputado reeleito Jean Wyllys (Psol-RJ) anunciou que renunciaria ao mandato e deixaria o País em função de ameaças, o seu colega, senador e deputado eleito José Medeiros (Podemos-MT), encaminhou à Polícia Federal um ofício pedindo abertura de investigação por suspeita de venda de mandato. 

Para Medeiros, é estranha a coincidência da renúncia a um mandato tão disputado seguido pela substituição pelo “marido de um ativista internacional”, nas palavras dele. Assumiu a vaga de Wyllys o deputado David Miranda (Psol-RJ), marido do jornalista Glenn Greenwald, fundandor do The Intercept Brasil

Após o vazamento das supostas conversas entre Moro e Dallagnol, Medeiros enviou um segundo ofício para a Polícia Federal, alegando que os fatos não pareciam “mera coincidência do destino”, principalmente após o site editado por Greenwald “ter publicado mensagens da Operação Lava Jato pretensamente obtidas através de um hacker”, diz, no ofício.  

A Polícia Federal informou que não abriu investigações nesse sentido porque qualquer instauração de investigação sobre questões eleitorais depende de requisição da Justiça eleitoral, o que ainda não ocorreu. Já a Justiça Eleitoral informou que não analisa nenhum processo nesse sentido. Diante da situação, Medeiros disse que estuda recorrer ao Ministério Público Eleitoral. 

Procurado, o deputado David Miranda não respondeu à reportagem para comentar as suspeitas levantadas pelo deputado Medeiros.