Guaidó faz apelo por emergência após apagão na Venezuela

O autoproclamado presidente interino da Venezuela, Juan Guaidó, deve fazer nesta segunda-feira um apelo ao parlamento do país para declarar emergência nacional após um fim de semana de apagão. A luz começou a faltar na quinta-feira em 22 dos 23 estados venezuelanos e a situação só começou a voltar à normalidade no domingo.

A organização não-governamental Codevida, que atua na Venezuela, informou que 15 doentes renais morreram nos últimos dias no país, em decorrência da falta de diálise. A entidade receia que o número de vítimas aumente porque o apagão afetou o funcionamento dos aparelhos.

O apagão acirrou a tensão entre chavistas e opositores. Os dois lados foram às ruas no sábado para uma série de protestos contra e a favor do governo. Guaidó e o Grupo de Lima, grupo de países que reconheceu o opositor como presidente interino, culpa a incompetência da gestão Maduro pela queda de energia.

Guaidó concedeu entrevista coletiva do lado de fora da Assembleia Nacional, às escuras. Seu objetivo é, com a declaração de emergência, facilitar uma intervenção internacional no país que acelere a queda de Maduro. O maior desafio continua sendo a resistência das Forças Armadas. Guaidó vem publicando textos cobrando a cumplicidade dos militares com o governo. No domingo, pediu que os familiares do militares lhes digam como estão sofrendo.

O conselheiro de Segurança Nacional da Casa Branca, John Bolton, disse no domingo que militares estão conversando com Guaidó e com parlamentares da oposição. Sem eles, apesar da tragédia, Maduro não deixará o palácio Miraflores.

Guaidó confirma 17 mortos em hospitais

Juan Guaidó confirmou neste domingo que 17 pessoas morreram em hospitais por causa do apagão na Venezuela. A maioria das vítimas é dependente de tratamento de diálises.

“Há 17 mortos confirmados, 15 deles em Maturín, mas por causa da falta de comunicação não pudemos monitorar 17 dos 40 hospitais que são normalmente monitorados”, afirmou Guaidó.

Aulas suspensas na Venezuela

Jorge Rodríguez, ministro das Comunicações da Venezuela, anunciou neste domingo que as aulas estarão suspensas nesta segunda-feira no país em razão do apagão.