Elinaldo coloca novos leitos de retaguarda no Caps III em pleno funcionamento nesta sexta-feira

Nesta sexta-feira (5/3), o prefeito Elinaldo Araújo, através da Secretaria da Saúde (Sesau), colocou em funcionamento 17 leitos clínicos, um leito de estabilização e sete poltronas para receber até 25 pacientes com a Covid-19 no Centro de Atenção Psicossocial (Caps) III, localizado no Phoc I. Os pacientes que serão recebidos no local serão regulados das unidades de urgência e emergência.

O secretário da Saúde, Elias Natan, explica que não é uma unidade de atendimento de porta aberta. “Aqui serão recebidos apenas pacientes enviados pela Central de Regulação Municipal de Leitos. Para atendimento a pacientes sintomáticos todas as unidades de saúde estão funcionando em demanda aberta”, disse.

Elias Natan informou também que, “na segunda-feira (8/3) será assinado o contrato com a empresa vencedora do Chamamento Público para implantação do Centro Intermediário de Enfrentamento ao Coronavirus (CIEC). Lá, serão mais 20 leitos clínicos e uma sala vermelha. No local, além dos leitos, teremos atendimento também para pacientes sintomáticos”.

Além dos leitos do Caps e do CIEC, a Secretaria da Saúde de Camaçari tem ainda um edital de credenciamento em aberto para contratação de outros 10 leitos clínicos e mais cinco de Unidades de Terapia Intensiva (UTIs). “Juntamente com o prefeito Elinaldo, não temos medido esforços. Quando todos os leitos estiverem funcionando teremos 20 leitos de UTI, 48 leitos clínicos e sete poltronas de retaguarda para atender nossa população. Além desses, temos ainda os leitos das unidades de urgência e emergência”, afirma Elias Natan.

Até as 11h desta sexta-feira, 76 pacientes nas unidades de urgência e emergência aguardavam a transferência para um leito, sendo 46 para leitos de UTI e 30 para leitos clínicos. O quadro é mais delicado ainda devido a quantidade de pessoas que chegam nas unidades de saúde da Atenção Básica precisando dar entrada numa unidade de urgência e emergência devido à gravidade do quadro clínico e não encontram vagas. “Sem a ajuda da população usando máscara, álcool em gel, evitando aglomerações e saindo de casa somente para o necessário, não haverá leitos suficientes em lugar nenhum. Por isso precisamos unir esforços, cada um fazendo a sua parte”, destaca Natan.