Aviões russos aterrissam na Venezuela carregando tropas militares

Aviões da Força Aérea russa aterrissaram no principal aeroporto da Venezuela neste sábado (23) carregando um oficial russo de Defesa e quase 100 tropas, de acordo com a imprensa local.

Sites venezuelanos que acompanham voos no país mostrou que dois aviões deixaram um aeroporto militar na Rússia com direção a Caracas, na sexta-feira (22), e outro portal que faz o mesmo serviço mostrou que um avião deixou a capital no domingo (24).

O repórter Javier Mayorca escreveu no Twitter, no sábado, que o primeiro avião levou Vasily Tonkoshkurov, chefe de gabinete das forças terrestres, acrescentando que o segundo era um avião de carga carregando 35 toneladas de material desconhecido.

Um jato com passageiro Ilyushin IL-62 e um avião militar de carga Antonov AN-124 saíram para Caracas, na sexta-feira, do aeroporto militar russo Chkalovsky, parando no caminho na Síria, de acordo com o site de acompanhamento Flightradar 24.

O avião de carga deixou Caracas na tarde de domingo, de acordo com o Adsbexchange, outro site de acompanhamento de voos.

Uma testemunha da Reuters viu o que pareceu ser um jato de passageiro no aeroporto de Maiquetia, neste domingo (24). Não ficou imediatamente claro por que os aviões vieram à Venezuela.

O Ministério da Informação da Venezuela não respondeu imediatamente ao pedido por um comentário em meio ao fortalecimento de laços entre Caracas e Moscou. Os ministérios de Defesa e de Relações Exteriores da Rússia também não responderam as informações extraoficiais sobre os contatos.

A reportagem surge três meses depois de as duas nações realizarem exercícios militares em solo venezuelano, que o presidente Nicolás Maduro chamou de um sinal de fortalecimento das relações, mas que Washington criticou como uma invasão da Rússia na região.

A administração Trump impôs severas sanções à indústria de petróleo da Venezuela, em uma tentativa de tirar Maduro do poder, e pediu que os líderes militares da Venezuela o abandonassem. Maduro denunciou as sanções como intervencionismo dos EUA e recebeu apoio diplomático da Rússia e da China.

Em dezembro, dois aviões de bombardeio estratégico da Rússia, capazes de carregar armas nucleares, aterrissaram na Venezuela, em uma demonstração de apoio ao governo socialista de Maduro que irritou Washington.